sexta-feira, 28 de maio de 2021

PPR 2021 da Mundial aumenta só R$ 90 em relação ao ano passado

 



Maio 2021 -
A MUNDIAL anunciou um PPR de R$ 2.297,00 reais neste ano, só R$ 90,00 a mais do que o PPR do ano passado. Segundo o site Infomoney, a receita líquida da empresa nos últimos 13 meses foi de R$ 514,27 milhões. As ações da MUNDIAL na Bolsa de Valores tiveram um crescimento de 26,84% só nesse mês de Abril. Isso significa que a expectativa de lucro da empresa é enorme, mesmo durante a pandemia. O discurso de colocar a culpa na pandemia não cola aqui na MUNDIAL.

Foi criada a comissão do PPR, mas ela não decide nada. Quem determina o valor do PPR é a direção da empresa. A comissão serve só para dar uma imagem de democracia, mas é uma imagem falsa. É pura ilusão.

O que vemos crescer aqui é a compra de robôs, de máquinas de afiar. O número de carretas carregadas com a nossa produção triplicou a cada semana.

Por outro lado, os supervisores metem uma pressão sobre nós. Querem mais e mais produção. Vemos colegas abalados psicologicamente por ameaças de ir pra rua se não produzirem até atingir as metas; chegam a se sentir forçados a ir trabalhar no tempo de pausa das refeições, que seria de 1 hora e acaba sendo de 20 minutos.

E a diretoria do nosso sindicato achou justo o valor do PPR? Tudo indica que sim, porque silenciou

CLIQUE AQUI para acessar o panfleto distribuído pela Oposição Metalúrgica



Em 2017, paramos a produção por um dia e conseguimos dobrar o valor do PPR


Em 2017, a MUNDIAL, vergonhosamente, anunciou só R$ 600,00 de PPR, mas quem estava aqui lembra que paramos a fábrica por um dia e o nosso PPR dobrou. Obrigamos a empresa a reabrir as negociações e aumentar aquele valor. Conquistamos, na luta, R$ 1.200,00 de PPR. Vimos que a única voz que o patrão entende é parar a produção. É inaceitável que o aumento em relação ao ano passado seja só de R$ 90,00!

A OPOSIÇÃO METALÚRGICA defende que o PPR deveria ser incorporado ao salário, porque quando o trabalhador se aposentar vai contar no valor da aposentadoria. Se dividir R$ 3.000,00 por 12 meses, dá R$ 250,00 por mês. Do jeito que é hoje é uma ilusão pensar que a MUNDIAL está distribuindo o lucro, quando na verdade só o que aumenta pra nós são as metas, enquanto o nosso salário e o nosso PPR são uma miséria!


* Texto da OSM publicado em 28/05/2021

 

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Trabalhadora da PERTO/ DIGICON morre em decorrência da COVID



Abril 2021 -
Na 3ª feira passada, 6 de Abril, uma jovem trabalhadora de menos de 40 anos, mãe de filhos pequenos, foi vítima do Coronavírus. A Oposição Metalúrgica (OSM) esteve, nesta 4ª feira de manhã, na entrada do turno da PERTO/ DIGICON para nos solidarizarmos aos trabalhadores e manifestar nosso sentimento de dor e de revolta frente à morte da trabalhadora. Ainda não tínhamos a confirmação do falecimento do trabalhador, e por isso estendemos nossas condolências também a este colega e a seus familiares, amigos e colegas.

Estamos dentro e fora da fábrica, denunciando as más condições dos nossos locais de trabalho em Gravataí (RS) desde 2020. Devido à ganância das empresas, somos obrigados a trabalhar correndo o risco de pegar Coronavírus, pois não nos dão nem máscaras adequadas e continuamos trabalhando sem a distância necessária.

Denunciamos a falta de condições de trabalho à Vigilância Sanitária e ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para que a empresa forneça condições mínimas de trabalhar com segurança. Mas o descaso persiste de todos os lados: empresa, governos, judiciário e sindicato; e o sistema de saúde não tem condições de atender a todos.

Parar as fábricas até diminuir a superlotação dos hospitais de Gravataí e Porto Alegre, garantindo nossos empregos e salários! Está mais do que na hora de nos organizarmos para alterar a Convenção Coletiva dos metalúrgicos colocando estabilidade no emprego e garantia de salário integral por todo esse período de emergência.


ENQUANTO ISSO NÃO É REALIDADE, A OPOSIÇÃO EXIGE:

# Higienização dos postos de trabalho, principalmente os setores em que colegas foram infectados;
# Testagem em todos;
# Fornecimento de máscaras N95, que são adequadas para proteger do vírus;
# Afastamento do grupo de risco (grávidas, pessoas com comorbidades e pessoas com mais de 60 anos)



Divulgamos abaixo o panfleto distribuído pela Oposição Metalúrgica na manhã desta 4ª feira (14/04) na entrada da PERTO/DIGICON:





* Texto da OSM publicado em 14/04/2021

 

segunda-feira, 22 de março de 2021

2021 começa com trabalhadores adoecendo e morrendo de COVID-19 nas fábricas



Março/ 2021 - Apesar de os trabalhadores serem infectados e estarem morrendo pelo COVID-19 (neste mês, uma trabalhadora da TDK e outra da cozinha da MUNDIAL vieram a falecer em decorrência do COVID), as direções das fábricas fingem que nada está acontecendo e nos obrigam a continuar trabalhando aglomerados dentro da empresa. Especialistas da saúde alertam que a situação tende a piorar, porque as novas variantes do vírus são muito mais transmissíveis e letais. Os hospitais estão superlotados. Quem ficar doente não terá o atendimento adequado. É inaceitável continuarmos trabalhando nessas condições, correndo altíssimo risco de vida!

# PARAR AS FÁBRICAS PARA NÃO MORRERMOS DE COVID!

#
ESTABILIDADE NO EMPREGO PARA NÃO MORRERMOS DE FOME!

#
O LUCRO DO PATRÃO NÃO DEVE ESTAR ACIMA DAS NOSSAS VIDAS!

#
VACINA PARA TODOS OS TRABALHADORES!


 

ATUAL DIREÇÃO DO SINDICATO FECHA CAMPANHA SALARIAL ABAIXO DA INFLAÇÃO E SEM RETROATIVO

A inflação oficial de 2020, segundo o IBGE, foi de 5,45%, e em 2021 a gasolina já subiu mais de 50% nas bombas, comparado a 2020. Sentimos no dia a dia que nosso salário perdeu o poder de compra.

A data-base da campanha salarial de todas as empresas metalúrgicas do Distrito Industrial de Gravataí (RS) é em Setembro. Os pelegos que estão na direção do sindicato, mais uma vez, não apareceram nas fábricas. Depois de muita pressão realizada pelos metalúrgicos da DANA, as demais empresas começaram a informar diretamente para os trabalhadores sobre o reajuste que, muitas vezes, não chegava a 3%. E tiveram empresas que deixaram para pagar só em Janeiro de 2021, cinco meses depois, sem retroativo e sem aumento real. Isso é total desrespeito com nós, trabalhadores! Temos que exigir um salário decente, afinal de contas somos nós que produzimos a riqueza e é um direito nosso um salário melhor!


PELEGOS DO SINDICATO PERMITEM BANCO DE HORAS

As horas extras já eram uma forma que favorecia mais o patrão do que o trabalhador porque, apesar de ter um retorno ao trabalhador, com as horas prolonga-se o tempo de trabalho. Mas como os salários são baixos, muitas vezes os trabalhadores usam como complemento para pagar as contas do mês.

Com o banco de horas, a situação fica ainda pior para os trabalhadores, pois agora as horas extras que são feitas não serão mais pagas em dinheiro, mas sim em dias de folga. Porém, não quando o trabalhador quer ter a folga, mas sim quando a empresa quiser.

Não devemos aceitar isso! Temos que ser contra o banco de horas porque, dessa forma, vamos nos tornar escravos dos patrões. Eles vão nos forçar a trabalhar mais e não vamos receber mais por isso!

Temos que lutar contra o banco de horas nas empresas!



Clique nos nomes das empresas abaixo para ler o jornal distribuído pela OSM nas fábricas do Distrito Industrial de Gravataí (RS) em 17 e 18 de Março:

 
PERTO/ MUNDIAL

TDK/ JACKWAL

DANA

GLOBO INOX, PANATLANTICA e RENNER



* Texto da OSM publicado em 22/03/2021



quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Lay off na GM é uma carta branca para demissão

 


A GM e a atual diretoria do sindicato utilizam o lay off como ferramenta para demitir! A proposta que nós votamos em assembleia para que o terceiro turno continuasse em lay off era para assegurar os empregos, mas o que está acontecendo na prática é que a GM vai nos chamando do lay off e nos demitindo. E para piorar a situação, no período de suspensão de contrato nós estávamos recebendo o seguro-desemprego e agora, se somos demitidos, ficamos sem emprego e sem seguro e não temos mais como nos manter.

Para que serve, então, a prorrogação do lay off até Abril de 2021? Serve para a GM ir demitindo a conta-gotas e não se desgastar com uma demissão em massa. Por tudo isso que está acontecendo na GM, nós trabalhadores, não podemos nunca aceitar acordos como o lay off. Nós temos que exigir a conservação dos nossos empregos e dos nossos salários! 

Jornada MAIOR e salário MENOR?
ASSIM NÃO DÁ! NÃO TEMOS QUE ACEITAR! 

A GM prolonga a jornada de trabalho, empilha sábados com banco de horas e dá calote no nosso salário! E onde está o sindicato? Como se não bastasse a exploração do dia a dia no chão da fábrica, a GM está passando a perna nos nossos salários. Aqui na fábrica todos estão indignados com isso. A GM não está nos pagando as horas que são trabalhadas a mais, nem o adicional noturno dessas horas, e faz descontos absurdos no contracheque. Por exemplo, a GM desconta o lanche de quem trabalhava no terceiro turno. 

E para piorar a situação, os trabalhadores que eram do terceiro turno trabalhavam dez minutos a mais todos os dias para pagar os dias ponte, ou seja, já pagamos esses sábados de produção. Por isso, estamos trabalhando os sábados de graça. A GM está nos dando calote!

 


CLIQUE AQUI para ver panfleto entregue pela Oposição Metalúrgica no CIAG (complexo da GM) em Novembro

 

 

 


 Também distribuímos jornal na sistemista PELZER, CLIQUE AQUI para ver

 


* Publicado em 2/12/20

 

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Campanha Salarial Distrito: Oposição denuncia reajuste zero

 


 

Nos dias 15, 21 e 22 de Outubro, a OSM (Oposição Metalúrgica) esteve nas metalúrgicas para denunciar o acordo de REAJUSTE ZERO feito pela atual direção do sindicato e as empresas.

Com pressão e luta, os trabalhadores da DANA reabriram as negociações e conseguiram antecipar 2% agora e deixar os outros 0,94% para o início de 2021 (totalizando 2,94%, inflação medida pelo INPC para a data-base 1º de Setembro) entre outras questões. CLIQUE para ver matéria sobre o DANA 

Os patrões da MUNDIAL e da JACKWAL ficaram com medo do que os operários da DANA fizeram e se anteciparam com reajustes de 2% a 2,5%.

Após a panfletagem da Oposição, a direção da PANATLANTICA anunciou reajuste salarial de 3%.

Mas as demais empresas do Distrito Industrial não se coçaram até agora! Empresas grandes e multinacionais, como a TDK e a PERTO/ DIGICON, insistem no reajuste zero aos trabalhadores.

Temos que seguir o exemplo dos trabalhadores na DANA e pressionar os patrões e a direção do sindicato. É hora de garantir o poder de compra dos nossos salários!



Clique nos nomes das empresas abaixo para ler o jornal distribuído pela OSM:

DANA

JACKWAL

PERTO/ DIGICON

DEMAIS EMPRESAS

 

 

*Matéria publicada pela OSM (Oposição Sindical Metalúrgica) em 29/10/20


 

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Com pressão na empresa e no sindicato, trabalhadores da DANA conseguem reajuste

 

A atual diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (SINMGRA) fechou a Convenção Coletiva (CCT 2020/2021) com data-base em Setembro com 0% de aumento pra este ano, manteve o banco de horas, o trabalho aos sábados e reduziu o PPR. A pressão dos trabalhadores sobre a diretoria do sindicato obrigou a reabrir as negociações. 

No dia 22 de Setembro, os operários da DANA aprovaram em assembleia a reabertura da negociação da campanha salarial. Mesmo a empresa fazendo pressão psicológica e dividindo os trabalhadores, com a ajuda dos pelegos do sindicato, foi recusada a primeira proposta patronal e  aprovado estado de greve na assembleia de 6 de Outubro.

No dia 8 de Outubro, foi marcada nova assembleia para colocar em votação a segunda proposta da DANA. Mas a atual diretoria do sindicato, junto com a direção da empresa, armaram uma cilada para nós, trabalhadores: fizeram a assembleia dentro da fábrica, dividindo em pequenos grupos, acompanhados dos supervisores e gerente da empresa para intimidar todos. Os trabalhadores acabaram aprovando.
 

As conquistas que os trabalhadores conseguiram arrancar da DANA:

# Aumento de 2,94%, sendo que 2% para outubro e 0,94% para fevereiro;

# Todos os trabalhadores que tiverem mais de um ano de empresa passam a receber R$ 2.040,00;

#
O banco de horas não será assinado pela empresa neste acordo. Só teve enquanto durou a MP 927;

#
O PDV dos aposentados, com pagamento em parcela única de 90% da multa do FGTS. Aqui a empresa abocanhou parte dos direitos.



Só a luta muda a vida, é  que nos mostraram os trabalhadores da DANA! À luta!


Nós, da Oposição Metalúrgica, entendemos que a mobilização dos trabalhadores, assim como a greve, é fundamental para a conquista das nossas reivindicações. Foi com muita luta que os trabalhadores conquistaram seus direitos. E será com muita luta que conseguiremos mantê-los e avançar!



*Matéria publicada pela OSM (Oposição Sindical Metalúrgica) em 14/10/20

 

sábado, 3 de outubro de 2020

TDK retoma trabalho aos sábados. Parece que a crise está passando, mas os salários ...

 


 

A TDK Eletronics retomou o trabalho aos sábados em 3 de Outubro. Desde Maio, a empresa havia reduzido a jornada com diminuição de salários, o que para o chão de fábrica significou não ter jornada nos sábados com um corte de 5% a 15% dos salários.

A Oposição Metalúrgica esteve com os trabalhadores neste retorno no início do mês.


Veja abaixo o panfleto que distribuímos em 3 de Outubro:



 

* Oposição Metalúrgica (OSM), Outubro de 2020

 

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Campanha Salarial Distrito: trabalhadores da DANA pressionam por reajuste




Os trabalhadores da DANA estão mobilizados desde o início da semana porque não concordam em ter reajuste zero na campanha salarial. Além disso, a empresa ainda está se aproveitando da pandemia pra retirar mais de R$ 4 mil e acabar com prêmio por tempo de serviço. 

A DANA ainda obriga o trabalho aos sábados, domingos e feriados pra pagar o banco de horas.

Os trabalhadores realizaram operação tartaruga e, após pressão, conseguiram arrancar uma assembleia do sindicato na porta da fábrica na 3ª feira de manhã (22/09), foto acima. Na ocasião, os trabalhadores aprovaram uma pauta de reivindicações que já foi entregue à empresa. 

A categoria está em estado de greve. A DANA tem 72 horas para se posicionar sobre as exigências dos trabalhadores. 

Na 4ª feira (23/09, ver fotos abaixo) e hoje, a Oposição Metalúrgica (OSM) esteve na frente da empresa para ajudar na pressão dos trabalhadores pela negociação das reivindicações. Estamos juntos nesta luta!



Segue, abaixo, a pauta de reivindicações dos trabalhadores da DANA:

1) 5% de reajuste salarial referente à reposição do INPC mais a perda do poder de compra do trabalhador; 

2) PPR: pagar o mesmo valor do ano passado e sem metas (R$ 4.930,00 mais R$ 750 de abono, totalizando R$ 5.680,00); 

3) Voltar a política de pagar por tempo de serviço: 125 dólares a cada 5 anos; 

4) Plano de carreira: levando em conta aumento a cada 6 meses e teto de 3 anos; 

5) Definir a situação dos trabalhadores com aposentadoria especial sem retirar direitos; 

6) Ampliar o plano de saúde sem aumentar os custos ao trabalhador; 

7) Fim dos trabalhos aos sábados; 

8) Fim do banco de horas.




Oposição Metalúrgica (OSM) na 4ª feira (23/09) em frente à DANA:





Panfleto entregue na 4ª feira (23/09) pela Oposição Metalúrgica:



* Oposição Metalúrgica de Gravataí (OSM)



sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Campanha Salarial Distrito: diretoria do sindicato aceita reajuste zero!

 


Os patrões se aproveitam da pandemia que já matou milhares e contaminou milhões para se livrar de sua própria crise, e a receita é sempre a mesma: demissões, redução de salários, retirada de direitos. No Brasil, já são mais de 130 mil mortes e mais de 4 milhões de contaminados e essa tragédia gigantesca tem responsável: o governo Bolsonaro, que desde o início da pandemia é contra o isolamento, única forma de diminuir a contaminação pelo vírus, que não garante o devido investimento no SUS, o sistema público de saúde e fala o absurdo de que se houver uma vacina, só toma quem quiser. O governo também criou várias medidas liberando os patrões para reduzir salários, retirar direitos e continuar com as demissões.

        Na Campanha Salarial do ano passado, a atual diretoria do sindicato já tinha aceitado um Acordo sem reposição salarial e que piorou a jornada de trabalho com redução dos horários de pausa e a imposição do banco de horas no Distrito Industrial. Agora, na Campanha Salarial de 2020, mais desvalorização dos salários: os pelegos não organizaram nenhuma luta para garantir aumento salarial, proteção à saúde dos trabalhadores e aos direitos. Várias empresas metalúrgicas como a GM, MUNDIAL, DANA entre outras usaram a MP 936 do Governo Bolsonaro para reduzir os salários, retirar direitos e continuar com as demissões e, ainda, se recusaram a pagar o devido aumento salarial na data-base. A Convenção Coletiva foi renovada mantendo cláusulas que atacam direitos e a discussão sobre o reajuste salarial ficou para março de 2021, ou seja, nem as perdas já acumuladas os patrões vão pagar esse ano. E a diretoria do sindicato aceitou este acordo!

Enquanto isso, os trabalhadores ainda estão na mira do coronavírus, aglomerados nas fábricas e nos ônibus, trabalhando sem proteção, muitas vezes nem álcool gel tem.


É SÓ NA LUTA QUE VAMOS GARANTIR:

 # REPOSIÇÃO da inflação mais AUMENTO REAL de salário, repondo as perdas dos últimos 12 meses;

# REINTEGRAÇÃO dos demitidos e estabilidade no emprego;

# REALIZAÇÃO DE TESTES, afastamento dos que tiveram contato com quem adoeceu pela COVID 19, medidas de proteção à saúde e a vida dos trabalhadores;

# Manutenção e ampliação dos DIREITOS;

# FIM do banco de horas;

# Melhores CONDIÇÕES DE TRABALHO


Nenhum direito que a classe trabalhadora tem foi presente de patrão ou governo, o que temos é fruto da nossa luta e para impedir que eles acabem de vez, para garantir empregos e salários, o caminho segue sendo a luta. Ter o sindicato como instrumento de organização e luta é muito importante, por isso se junte à Oposição e vamos, juntos, fortalecer a mobilização para que o Sindicato dos Metalúrgicos seja dos trabalhadores!




             
             OSM denunciou reajuste zero aos metalúrgicos do Distrito Industrial em Gravataí (RS) em               panfletagem nas empresas nessas 5ª e 6ª feiras (17 e 18/09). INPC para a data-base da 
categoria em 1º de Setembro fechou em 2,94% (um dos dos índices de reposição da inflação)


Veja, abaixo, o jornal distribuído pela OSM (Oposição Metalúrgica) na íntegra nas principais fábricas de Gravataí (RS) nesta semana:









* Publicado pela OSM (Oposição Sindical Metalúrgica em 18/09/20


quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Perto omite surto por COVID e coloca trabalhadores em risco

Oposição Metalúrgica denunciou situação em panfletagem na empresa em 30 de Julho.


  No final de Julho, a Oposição Metalúrgica teve acesso a informações que vazaram da administração da empresa confirmando 8 casos positivos de COVID-19, 23 suspeitos e 27 que tiveram contato com infectados. 

Esta situação alarmante foi denunciada à Vigilância Epidemiológica e à SMDET (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo) de Gravataí (RS) na 6ª feira (24/07) pela Oposição Metalúrgica. Também enviamos documento ao MPT (Ministério Público do Trabalho). O objetivo é comunicar os órgãos competentes sobre o que está ocorrendo na fábrica e exigir que tomem as medidas cabíveis a fim de evitar a proliferação de contágios por COVID-19 na PERTO, zelando pela saúde dos trabalhadores, de seus familiares e, consequentemente, da população do município.



Nós, da Oposição Metalúrgica, defendemos:

# Condição segura de trabalho;
# Testagem para todos os trabalhadores, inclusive os assintomáticos, que tiveram contato com os infectados, seja nos ônibus e no setor;
# Licença remunerada para conter o surto;
# Contra o banco de horas;
# Não vamos aceitar nenhuma demissão e nem perda salarial!




O LUCRO DO PATRÃO ACIMA DE TUDO = DEMISSÃO E CONTÁGIO 

Se não fosse o vazamento desses dados e as denúncias da Oposição, a empresa seguiria com essas informações em sigilo. Por isso é fundamental que os trabalhadores estejam em contato com a Oposição Metalúrgica para, juntos, tomarmos providências que resguardem a segurança e a saúde de todos. Outro fator que impacta muito aos trabalhadores são as demissões, que por sinal escancaram que o único objetivo das empresas é o lucro acima de tudo. Se não fosse este o único objetivo, não ocorreriam demissões, sobretudo em momentos de crise como este. Para nos defender das demissões e proteger a saúde de nossa família, precisamos estar atentos e organizados. Entre em contato com a Oposição, faça sua denúncia!



NÓS TRABALHANDO E OS PELEGOS QUE AINDA ESTÃO NA DIREÇÃO DO SINDICATO? DE QUARENTENA!
O sindicato dos metalúrgicos deveria estar fazendo sua função, ou seja, estar com os trabalhadores nesse momento difícil para garantir nossos empregos, direitos e condições de trabalho durante a pandemia. No entanto, a atual direção do sindicato é cúmplice das empresas assinando acordos rebaixados, como o banco de horas (por exemplo), e não tem feito absolutamente nada para fortalecer a luta dos trabalhadores. Para piorar, colocaram um anúncio na página do sindicato dizendo que “fecharam as portas por conta da pandemia”.

Engraçado, os peão podem continuar trabalhando enquanto os diretores do sindicato ficam em casa ignorando tudo que está se passando dentro das fábricas. Não aceitamos demissões e nem o risco de contágio: testes para todos os trabalhadores e licença remunerada já! Ajude a organizar a Oposição para tomar o sindicato para os trabalhadores! 



Oposição Metalúrgica de Gravataí (OSM)

terça-feira, 21 de julho de 2020

Jackwal tem confirmação de COVID e faz acordo com sindicato para não pagar Propart

A JACKWAL já contabiliza dois trabalhadores confirmados com COVID-19 e outros vários colegas estão, há dias, afastados por suspeita! A Oposição Metalúrgica esteve nesta 2ª feira (13/07) em frente à empresa para denunciar esta situação e cobrar medidas da direção da empresa para conter o avanço da contaminação no interior da fábrica.

Os operários da JACKWAL estão correndo grave risco de contrair o vírus porque a empresa não libera para a quarentena trabalhadores que têm contato próximo com o infectado e com os suspeitos. A empresa não faz testes nos trabalhadores, esconde informações e faz de conta que lá dentro está tudo certo!

A direção da empresa decidiu ignorar os riscos pra seguir faturando. Por exemplo, um dos setores que está com ritmo mais acelerado é justamente onde o trabalhador que testou positivo e foi afastado operava. Como fica para quem segue trabalhando? Para quem pegou o mesmo ônibus? Para quem tocou nos mesmos equipamentos?

A direção da JACKWAL permite que a fábrica se transforme em um centro de proliferação do vírus, que pode trazer graves consequências à saúde dos TRABALHADORES (AS) E SEUS FAMILIARES, muitos do grupo de risco. Será que falta dinheiro pra fazer teste nos trabalhadores? Ou gastaram tudo nos setores novos pra ganhar mais em cima de nós?

A empresa conseguiu o que queria, mais uma vez vamos ficar sem PROPART!
A direção pelega que está no nosso sindicato fechou acordo com a JACKWAL para nos dar esse calote! Eles tiram nosso PROPART pra pagar os setores novos e seguir ganhando mais!

Não podemos aceitar que nos tratem apenas com “recursos humanos"! Somos trabalhadores(as) e temos responsabilidade com a nossa saúde e de nossas famílias. Não podemos aceitar essa situação de termos que escolher entre ficar desempregados ou morrer de coronavírus!


A Oposição Metalúrgica exige:

 
# TESTES EM TODOS OS OPERÁRIOS JÁ!

# LIBERAÇÃO REMUNERADA DOS INFECTADOS E DE QUEM TEVE CONTATO COM ELES!

# DESINFECÇÃO DOS SETORES EM QUE O COLEGA INFECTADO E OS SUSPEITOS TRABALHAM!

# NENHUMA DEMISSÃO! NENHUMA PERDA SALARIAL!




Oposição Metalúrgica (OSM) - Julho/2020


segunda-feira, 13 de julho de 2020

DANA: MP 936 DO GOVERNO BOLSONARO NÃO PROTEGE EMPREGO


A Oposição Metalúrgica esteve no portão da Dana denunciando as medidas provisórias do governo Bolsonaro que reduz salário e retira direitos e não preserva empregos.

Também denunciou a redução de salário, de PPR e as demissões que empresa vem fazendo mesmo aderindo na MP 936.

Outro ataque aos direitos dos trabalhadores é o banco de horas assinado pelo atual diretoria do sindicato, onde os trabalhadores vão trabalhar até aos domingos.

Com casos positivos de covid-19 na empresa, cobramos isolamento remunerado e exames para todos os trabalhadores.

É preciso lutar pelos direitos e pela vida.

CLICK AQUI E CONFIRA A ÍNTEGRA DO JORNAL DE JULHO/DANA DA OPOSIÇÃO METALÚRGICA DE GRAVATAÍ




quarta-feira, 24 de junho de 2020

Coronavírus: TDK não faz testes para COVID-19 nos trabalhadores

24/06/20 - A Oposição Metalúrgica esteve hoje (24/06) na entrada do 1º turno da TDK para pressionar que a empresa seja mais rigorosa na prevenção e no combate à pandemia do coronavírus dentro da fábrica. Também panfleteamos os outros dois turnos durante a mesma semana. Informações que recebemos apontam que mais de 80 trabalhadores já foram afastados com suspeita de COVID-19, apresentando sintomas gripais, mas a TDK não deu nenhum suporte para que que os trabalhadores pudessem realizar o teste.



Abaixo, divulgamos panfleto que estamos distribuindo na TDK:









A Oposição Metalúrgica exige a liberação remunerada dos trabalhadores infectados e de quem teve contato com eles e realização de ampla testagem nos funcionários. Repudiamos qualquer demissão e/ ou redução salarial!

OBS.: As fotos são da panfletagem da manhã de hoje (24/06), com aplicação de filtro.






Oposição Metalúrgica de Gravataí - Junho/ 2020

segunda-feira, 22 de junho de 2020

Mundial tem 1º caso confirmado de COVID-19 em unidade de Gravataí

22/06/20 - A Oposição Metalúrgica (OSM) fez panfletagens na madrugada desta 2ª feira (22/06) na entrada do 1º turno (fotos) e à tarde, no início do 2º turno da empresa MUNDIAL, no Distrito Industrial de Gravataí (RS). A mobilização denunciou que o coronavírus chegou ao local e cobrou, da empresa, medidas imediatas para conter a disseminação do vírus e proteger a vida dos trabalhadores.

A Oposição Metalúrgica registrou esta situação na MUNDIAL junto à Vigilância Epidemiológica do município de Gravataí (RS) e ao MPT (Ministério Público do Trabalho) na 6ª feira passada (19/06), a fim de que os órgãos tomem as medidas cabíveis. A empresa emprega cerca de 1 mil trabalhadores.

A MUNDIAL teve o primeiro caso confirmado de trabalhador infectado pela COVID-19 na semana passada, e outros dois estariam com suspeita. Segundo informações recebidas pela Oposição Metalúrgica, apenas este trabalhador com confirmação de ter contraído a COVID-19 foi afastado do trabalho.

A empresa não está tratando a situação com responsabilidade e transparência dentro do ambiente de trabalho. A MUNDIAL não informou este caso confirmado aos demais funcionários e nem tomou nenhuma outra medida de segurança, especialmente em relação aos trabalhadores do setor do colega infectado ou que utilizavam o mesmo ônibus fretado para transporte. Os metalúrgicos da MUNDIAL estão bastante assustados com a situação, pois muitos têm familiares do grupo de risco e, também, têm medo de perder o emprego caso critiquem a empresa.


A Oposição Metalúrgica exige a liberação remunerada dos trabalhadores que têm contato próximo com os infectados e realização de ampla testagem nos funcionários. Repudiamos qualquer demissão e/ ou redução salarial.


Denuncie a situação na tua fábrica à Oposição Metalúrgica pelo telefone (51) 98905-7031 (celular e whats). Você e seus colegas não estão sozinhos! Entrem em contato com a OSM!








Oposição Metalúrgica de Gravataí - Junho/ 2020



sexta-feira, 19 de junho de 2020

Postagens mais antigas → Página inicial