segunda-feira, 20 de julho de 2009

ALTERNATIVA SINDICAL SOCIALISTA.

_

PRESENTE NA REORGANIZAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA.
A Alternativa Sindical Socialista (ASS) é uma corrente de trabalhadores e trabalhadoras que se organiza nacionalmente. Somos um grupo onde participam metalúrgicos, sapateiros, operários da construção civil, químicos, bancários, vidreiros, radialistas, trabalhadores no serviço público entre outros que se organizam em sindicatos, coletivos e oposições.

Também temos trabalhado para estar junto com os trabalhadores desempregados ou que estão na informalidade e nas contratações precarizadas, justamente porque são parte do todo que forma a nossa classe.

Temos como principio em nosso trabalho a organização da luta a partir dos locais de trabalho, a solidariedade internacional de nossa classe, a independência dos patrões e do governo e a autonomia em relação aos partidos. Buscamos em nossas ações cotidianas o caminho para superação da sociedade de classes e a construção de um mundo socialista.


A
ALTERNATIVA foi criada em meados da década de 90 e foi uma das principais correntes dentro da CUT a combater a mudança de rumo da Central, que foi substituindo o enfretamento pela parceria com os patrões.

Somos uma organização de trabalhadores que defende a autonomia em relação aos partidos, mas também acredita na importância de um verdadeiro partido da classe trabalhadora que possa ser um instrumento de organização para avançar na luta.


Mas, diferente de outras organizações não defendemos que somente o Partido seja o responsável em dirigir as lutas gerais dos trabalhadores. Por isso a ASS além de estar contribuindo no processo de reorganização do movimento sindical, também está presente nas ações que vão além das questões imediatas da classe trabalhadora.


Infelizmente a Central criada no intenso processo de luta da classe trabalhadora, hoje se transformou em seu contrário: submissa ao governo e conivente com os ataques dos patrões.
Por isso a ASS tem impulsionado um processo de reorganização do movimento sindical, para retomar as lutas abandonadas da CUT.


São vários os exemplos das ações que estamos fazendo para reorganizar e retomar a luta da classe trabalhadora junto com todos aqueles que não se renderam aos patrões e ao governo: em 2006 realizamos paralisações no pólo industrial de Cubatão e na Toyota /SP em solidariedade aos metalúrgicos na Volks que lutavam contra as demissões.


Em 2007 construímos o 23 de maio Dia Nacional de Luta onde paramos a produção e a circulação de mercadorias envolvendo aproximadamente 2 milhões de trabalhadores no País, além da marcha à Brasília contra as reformas que atacam nossos direitos.

Nesse ano estamos construindo uma luta comum com os companheiros do MST e demais movimentos populares para enfrentar os ataques dos patrões que terão o apoio do governo.
Para aumentarem seus lucros os empresários precisam diminuir o valor da nossa força de trabalho e não fazem isso só diminuindo nossos salários.

Conseguem isso acabando com direitos como férias, 13◦, FGTS, além de aumentar a idade para aposentadoria e dificultar cada vez mais o pagamento de benefícios do INSS para os trabalhadores que na maioria são vitimas das doenças e acidentes provocados pelo trabalho. São essas reformas que o governo federal prepara para atender os interesses dos patrões.
Essa é a necessária luta que temos a fazer: nas ações cotidianas buscar a destruição dessa sociedade onde o Capital se enriquece na exata medida em que coloca a maioria da humanidade na mais profunda miséria.



_


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

  1. Este BLOG está a serviço da resistência sindical metalúrgica na cidade de Gravataí na Região Metropolitana de Porto Alegre.
    Aqui serão postados tópicos cujas origens serão a internet e, principalmente, textos e notícias publicadas no Jornal Operário local.
    Boa leitura e contribua com comentários, por favor, para ajudar a nos manter em nosso caminho: o da luta pela dignidade negada a Classe Trabalhadora no Brasil!
    Obrigado.

    ResponderExcluir

Obrigado por contribuir com a sua denúncia.